quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Deixar queimar, deixar sangrar

Resultado de imagem para artecidade exposição de 1997 sala dos sapatos
RELAÇÕES IMPRECISAS, claudia hamerski
                                                                                                             
deixar sangrar o país
deixá-lo morrer

goteiras no hospital abandonado
vasos sanitários estourados

a boca do bêbado
o silêncio das moscas

o que é delicado se cala
ocupa gavetas

se enfronha nas conversas diurnas
na ocupação cacete

as chamas se espraiam, o fogo ondeia
o atlântico ocupado em seus projetos milenares

as crianças precisam ocupar espaço, divertir-se
as crianças precisam passear

as crianças precisam - é urgente -
gostar deste mundo

deixar sangrar o país
esfaquear, atirar, cortar

tudo é modo de moer o outro e o medo
tudo é meio de matar no outro a si mesmo

assisitir ao espetáculo do fogo
parado dentro de si

e o risco iminente de romper a platarforma
invadir casas

ocupar cidades

o perigo de sangrar o país


(São Paulo, 06 de setembro de 2018)

Nenhum comentário:

Postar um comentário